Mudanças climáticas

Comitê estudará problemas climáticos da região trinacional

 

As constantes inundações e vendavais que ocorrem no Brasil, Paraguai e Argentina agora serão estudadas cientificamente. Um comitê técnico formado por pesquisadores da região trinacional, da Universidade de Leeds (Reino Unido) e da Iniciativa para Ciudades Resilientes - IRDC (Canadá) se encarregará de fazer um diagnóstico para identificar problemas climáticos, os impactos trazidos para as áreas urbanas, além de propor medidas mitigatórias.

Os pesquisadores se reuniram no último dia 6, no auditório da Polícia Federal, em Foz do Iguaçu, para formatar uma proposta de trabalho integrada envolvendo Foz do Iguaçu, Ciudad del Este e Puerto Iguazú.

O pesquisador Marco Sakai Diaz, da Universidade de Leeds, explica que o comitê mapeou uma série de necessidades para efetivar as medidas, entre as quais, avaliação contínua da vulnerabilidade das três cidades, proposição de soluções e levantamento de dados econômicos levando em conta que são quase inexistentes ou inacessíveis. O grupo também identificou a necessidade de estabelecer convênios formais de cooperação, ter bases de dados atualizadas confiáveis e criar um conselho amplo envolvendo os já existente, o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu - Codefoz, o Codeleste (Ciudad del Este) e o Codespi (Puerto Iguazú).

Um dos fatores que gerou o interesse dos pesquisadores em atuar na região trinacional é o potencial de crescimento. A pesquisadora Paola Hernandez, da Universidade de Leeds, diz que projeções indicam que Ciudad del Este será uma das cidades da América Latina que crescerá mais rápido nos próximos 15 anos. “O projeto pretende propiciar a cooperação entre as três cidades em busca de soluções para ajudar a região a adaptar-se”, diz.

A iniciativa tem apoio do Instituto Polo Iguassu, da Universidade Católica Nuestra Señora de la Assunción e da Universidade Nacional de Misiones.

Mudanças climáticas preocupam

As mudanças climáticas causam impacto nas áreas urbanas e nem sempre as cidades estão preparadas para lidar com a situação. Nesta entrevista, o diretor de Meteorologia e Hidrologia da Direção Nacional da Aeronáutica Civil, Julián Báez Benítez fala sobre os problemas mais incidentes na região.

 

Entrevista com Julián Benítez