Movimento cobra moralização da política

Uma campanha de moralização da política foi lançada hoje, dia 7, pela Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu (ACIFI), Ordem dos Advogados do Brasil – Subseção Foz do Iguaçu (OAB-FI) e Observatório Social de Foz do Iguaçu (OSFI). A iniciativa, segundo o presidente do Observatório Social, Juliano Biccgo, é fruto do diálogo entre as três entidades e representa os anseios da população.

O movimento será contínuo e inicialmente cobrará um posicionamento do legislativo municipal. Quando o novo prefeito for eleito, as ações também serão levadas ao executivo. "Queremos um posicionamento deles em relação às reivindicações da população", afirma Biccgo.

De imediato, o movimento pede a aberturada comissão processante para a apuração da quebra de decoro parlamentar dos vereadores eleitos e suplentes denunciados na Operação Pecúlio; redução do número de assessores dos vereadores para dois por gabinete com remuneração máxima de 50% dos vencimentos do vereador (cada vereador tem direito de indicar quatro assessores cujos salários chegam a cerca de R$ 7,8 mil cada); prestação mensal de contas das atividades relacionadas à fiscalização dos gastos públicos e criação de mecanismos para garantir a transparência da gestão pública municipal.

No dia 18 de janeiro, logo após a posse dos cinco vereadores eleitos que foram presos durante a Operação Pecúlio, a Acifi protocolou pedido na própria Câmara para abertura de comissão processante contra os cinco políticos. O argumento tem por base o artigo 89 do regimento interno da Câmara Municipal o qual indica que comportamento vexatório e indigno leva o vereador a perda do cargo.

A etapa inicial da campanha inclui divulgação por meio de outdoors, cartazes, panfletos, camisetas, adesivos para automóvel e bótons. Na manhã do domingo, 12, será feita uma panfletagem na Feirinha da JK, das 9h às 10h30. O material da campanha está disponível no link www.acifi.org.br/bastadevergonha.

 

Fotos: Roger Meireles/Acifi