Mix restaurante e gasolina leva brasileiros ao Paraguai

Denise Paro

O comércio de importados deixou de ser o único chamariz dos brasileiros ao Paraguai. Preços atraentes de combustíveis e restaurantes estimulam corrida ao país vizinho

Ciudad del Este

Foto: Christian Rizzi

Em busca de economia na hora de encher o tanque, brasileiros movimentam os postos de combustíveis de Ciudad de Este, no Paraguai. Para fugir da intensa fila na Ponte da Amizade, que liga os dois países, os motoristas costumam cruzar a fronteira à noite e aos domingos. Muitos aproveitam para frequentar restaurantes e supermercados. A economia pode chegar a cerca de R$ 1,40 por litro, conforme o câmbio.

Enquanto em Foz do Iguaçu o preço médio da gasolina comum gira em torno de R$ 3,82 o litro, conforme a Agência Nacional de Petróleo - ANP, no Paraguai o consumidor gasta R$ 2,45. A gasolina correspondente à aditivada brasileira no Paraguai custa R$ 3,05 (especial) e R$ 3,90 (super). Na cidade vizinha, há oferta de três tipos de gasolina: comum (85 octanos), aditivada (92 octanos) e super (97 octanos), cujas especificações constam em um decreto do Ministério da Indústria e Comércio do Paraguai. No Brasil, a gasolina comum tem 87 octanos e a grid 91 octanos. A octanagem é a medida de resistência do combustível à pressão dentro da câmara de combustão do motor.

Em um dos postos de combustíveis visitados pela Front Press, os frentistas dizem que recebem diariamente centenas de motoristas brasileiros. Morador de Foz do Iguaçu, o corretor de imóveis Horácio Augusto conta que toda semana abastece no Paraguai. A jornada teve início há quatro meses e ele não pensa em parar. Horácio diz que aproveita o trânsito mais tranquilo aos domingos e consegue uma economia razoável ao final de cada mês.

O administrador Flávio Camargo frequenta os postos de combustíveis no Paraguai há seis meses e nunca teve problemas relacionados ao desempenho do veículo. Para ele, o percurso até a cidade vizinha vale a pena. “A gasolina é melhor que a nossa. Tem octanagem maior e menos álcool. Isso dá uma diferença grande”, diz. Quando vai abastecer, Flávio sempre aproveita a viagem para visitar algum restaurante de Ciudad del Este, cujos preços e cardápio também são atraentes. Só com a gasolina, a economia é de aproximadamente R$ 120,00 a 150,00 ao mês.

As oscilações no valor das moedas na fronteira levam os moradores a optarem por um país ou outro em busca de economia. Nos últimos anos, era bastante comum a corrida de brasileiros aos postos da Argentina, que chegavam a ter filas exclusivas e preço diferenciado para estrangeiros. Os moradores de Foz do Iguaçu e cidades vizinhas também aproveitavam para fazer a dobradinha combustível-restaurantes. Agora, a balança pende mais favoravelmente para o lado paraguaio.

Restaurantes

Entre as opções de restaurantes frequentados por brasileiros em Ciudad del Este estão os do Shopping Plaza Jesuítica, na Ruta Internacional, quilômetro 8, onde há comida italiana, mexicana e pratos típicos dos Estados Unidos. O restaurante da loja Sax também oferece menu da gastronomia japonesa, às quartas, italiana, na quinta, e árabe na sexta, todos custando US$ 15,00 por pessoa. Na quinta o cardápio é rodízio de pizza salada na entrada.

Os brasileiros também costumam circular pelos restaurantes de Hernandárias, onde, entre várias opções, há cardápio com comida japonesa e o típico churrasco.