Conversão da Costa e Silva com a BR-277 revela descaso de políticos

Por Ivo Valente

A conversão da Costa e Silva com a BR-277 em Foz do Iguaçu é um exemplo do descaso e pura negligência das autoridades políticas com o povo da terra das Cataratas. É mais uma situação que comprova que boa parte da classe política pensa apenas nos seus interesses pessoais, perdendo o contato com a realidade cotidiana das pessoas.

Congestionamentos, filas, estresse, inúmeros acidentes, prejuízos materiais, ferimentos de motoristas e mortes. Esta é a realidade da conversão da Costa e Silva. Milhares de cidadãos de Foz e das cidades vizinhas passam por este ponto. O desrespeito não é só a Foz; estende-se a todo Oeste do Paraná.

Aliás, o pedágio que se paga na BR-277 é caro. Para alguns, é o mais caro do mundo. É inconcebível que a concessionária não tenha a obrigação de fazer viadutos no trecho que atravessa Foz. Nada, absolutamente nada, justifica essa omissão.

Foz é uma cidade turística. Boa parte dos turistas chega de carro e não de avião. Nossos visitantes são recebidos pela conversão da Costa e Silva!! Uma cidade turística deve recepcionar as pessoas de maneira mais adequada e respeitosa. A entrada da cidade, definitivamente, não ajuda o nosso turismo em nada.

O movimento #ViadutosFoz, atuante desde 2012, lançou uma petição online em 15 de julho de 2016, em prol da construção do viaduto neste ponto da cidade. A petição é direcionada ao governador do Paraná, Beto Richa, e pode ser encontrada no seguinte endereço: www.change.org/viadutosfoz. Mesmo com recursos extremamente modestos, e usando principalmente a internet, o movimento faz o possível para a mobilizar a sociedade de Foz para a construção dessa obra e de outras que precisam ser feitas no trecho da BR-277 que atravessa a cidade.

Não podemos ser inocentes. Sem pressão popular feita de maneira ética, esta obra não será construída. Precisamos nos mobilizar e deixar claro por todos os meios ao nosso alcance que queremos essa obra o quanto antes, pois do jeito que está, ninguém aguenta mais!